Home > Novidades > Público Geral > Notícias > A febre amarela chegou no RS, e agora?

A febre amarela chegou no RS, e agora?

23-01-2018

O ano de 2018 já começou em alerta para o Rio Grande do Sul. Nos últimos meses, 4 casos de infecção por febre amarela estão sendo investigados pela Secretaria Municipal da Saúde, sendo necessária a realização de uma campanha de vacinação para evitar a contaminação nos municípios do Estado.

A febre amarela é uma doença febril aguda e grave que ataca humanos e animais, principalmente primatas. A transmissão em áreas urbanas ocorre através da picada do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue) e, em áreas florestais, os vetores são os mosquitos Haemagogus e o Sabethes.

A infecção acontece quando uma pessoa que nunca contraiu a febre amarela ou não tenha tomado a vacina contra ela, circula em áreas florestais e é picada por um mosquito infectado. Ao contrair a doença, a pessoa pode se tornar fonte de infecção no meio urbano.

Os primeiros sintomas são caracterizados por febre alta e com início súbito, cansaço, dores de cabeça, dores musculares (principalmente abdominal e lombar) e náuseas e vômitos. É comum apresentar um breve período de melhora, usualmente de 2 a 3 dias, seguido de reinício do mal-estar e icterícia (a pele e as escleras do olho ficam amareladas). Qualquer pessoa pode contrair, mas a sua transmissão não ocorre em contato de pessoa-pessoa.

Às pessoas que vivem em área urbana com ou sem indício dessa doença, uma das principais orientações é a eliminação de focos do mosquito Aedes aegypti, ou seja, extinguir possíveis reservatórios de água onde o mosquito possa depositar seus ovos. Outras medidas preventivas são o uso de repelente de insetos, mosquiteiros e roupas que cubram todo o corpo.

A vacina contra febre amarela integra o Calendário Nacional de Vacinação e está disponível nas Unidades Básicas de Saúde. Ela deve ser administrada em dose única, preferencialmente aos 9 meses de idade até os 59 anos. Quem já foi imunizado não precisa fazer dose de reforço. Gestantes, idosos, pessoas imunodeprimidas, transplantados e pacientes com doença oncológica em quimioterapia devem ter orientação médica para serem vacinadas, com atestado médico indicando ou contraindicando a vacina.

Doentes reumáticos e que usam medicamentos imunossupressores ou imunomoduladores também devem ter cuidados especiais, suspendendo a medicação por um período mínimo de 4 semanas antes da vacinação, de acordo com a orientação do médico.

IMPORTANTE: Os primatas (macacos), assim como os seres humanos, não transmitem a febre amarela, somente o mosquito é o transmissor.

Fontes: 
Dr. Cezar Vinicius Wurdig Riche, infectologista do Hospital Ernesto Dornelles. CRM: 34747.
Dr. Claiton Viegas Brenol, reumatologista do Hospital Ernesto Dornelles. CRM: 25271.

Todas as notícias

Dados de Atendimento
Fone (51) 3217-2002
Av. Ipiranga, 1801 - Porto Alegre/RS - como chegar

Horário de Visitas
Unidade de Tratamento Intensivo - UTI: das 10h às 10h30min; das 16h00min às 17h; das 20h30min às 21h00min


Emergência: das 11h às 11h20min; das 15h30min às 15h50min; e das 21h às 21h20min

Internação: das 15h às 17h

Unidade de Cuidados Especiais - UCE: das 9h às 9h30min, das 15h às 15h30min e das 20h às 20h30min.