Home > Novidades > Público Geral > Notícias > Crises de idade: elas existem mesmo?

Crises de idade: elas existem mesmo?

16-01-2018

A psicóloga do HED, Tatiana Galli, afirma que não!

‘’O que existe são crises ao longo do desenvolvimento humano. Crise ao ingressar na etapa escolar, passagem pela adolescência, crise ao sair da casa dos pais, crise "do ninho vazio", sentido pelos pais devido a saída dos filhos de casa, crise da meia idade, entre outras.’’

Segundo ela, a "crise da meia idade", termo criado em 1965 por Elliott Jaques, é a que mais se relaciona a uma idade propriamente dita. Ela compreende a fase dos 45 aos 50 anos.  É um momento marcado pelo sentimento de perda do tempo que passou, as escolhas feitas, os planos que ainda não foram consolidados, e os novos planos para a próxima etapa. No entanto, não quer dizer que todos vivenciarão uma crise ao longo do desenvolvimento. Assim como não necessariamente todos passarão com a mesma intensidade. 

Se trata, também, de uma transição em que alguns fatores podem desencadear como, por exemplo, o início do declínio cognitivo, bem como alterações hormonais (menopausa nas mulheres e redução da testosterona no homem), e o fato dos adultos dessa etapa encontrarem-se envolvidos com seus filhos, mas também com seus pais idosos, se ainda vivos, gerando uma sobrecarga.

Esta crise é vivenciada de modo introspectivo, pessoal. O adulto pode demonstrar que passou por esta etapa quando apresenta-se com uma transformação lenta de caráter, quando antigos hábitos voltam à tona, ou quando interesses habituais são esquecidos e substituídos por novos. Por vezes, princípios que norteavam a vida podem se modificar radicalmente. Quando a crise é resolvida, há uma mudança na personalidade, fazendo com o indivíduo esteja pronto para enfrentar o próximo ciclo. 

Contar com uma rede de apoio familiar ou de amizades ajuda a superar as dificuldades de forma mais saudável, propiciando o amadurecimento necessário para seguir em frente. Lembrando que o auxílio de um profissional deve ser buscado sempre que ao realizar essa avaliação a pessoa encontre mais fatores insatisfatórios do que satisfatórios.

Fonte: Tatiana Galli, psicóloga do Hospital Ernesto Dornelles.

Todas as notícias

Dados de Atendimento
Fone (51) 3217-2002
Av. Ipiranga, 1801 - Porto Alegre/RS - como chegar

Horário de Visitas
Unidade de Tratamento Intensivo - UTI: das 10h às 10h30min; das 16h00min às 17h; das 20h30min às 21h00min


Emergência: das 11h às 11h20min; das 15h30min às 15h50min; e das 21h às 21h20min

Internação: das 15h às 17h

Unidade de Cuidados Especiais - UCE: das 9h às 9h30min, das 15h às 15h30min e das 20h às 20h30min.