Home > Novidades > Público Geral > Notícias > Doença renal crônica é diagnosticada com exames de urina e de creatinina

Doença renal crônica é diagnosticada com exames de urina e de creatinina

Os primeiros sintomas são sentidos, normalmente, quando a doença já está em estágio avançado

12-03-2020

Silenciosa e quase sem sintomas na fase inicial, a doença renal crônica (DRC) atinge um em cada dez adultos e, atualmente, afeta 850 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo a World Kidney Day. Ela é considerada uma das epidemias do século, pois não tem cura e, conforme estimativa da World Kidney Day, ela se tornará a quinta causa mais comum de anos perdidos de vida em 2040.

Os rins desenvolvem diversas funções no organismo, sendo que as principais são filtrar o sangue, controlar os níveis dos eletrólitos (como potássio, sódio e cálcio) produzir hormônios, além de eliminar as impurezas através da urina. Por não apresentar sinais, a doença renal crônica é diagnosticada, normalmente, quando está em estágios mais avançados.

Conforme a médica nefrologista do Hospital Ernesto Dornelles e Diretora de Políticas Associativas da Sociedade Brasileira de Nefrologia, Dra. Cinthia Krüger Sobral Vieira, muitas vezes, ela é descoberta de forma indireta. “O paciente é diagnosticado com anemia e descobre que a causa é a diminuição do hormônio Eritropoietina (EPO) sintetizado pelo rim, que estimula a produção de células vermelhas na medula óssea”.

Os primeiros sinais a serem percebidos por quem está com disfunção renal são náuseas, vômitos, olhos inchados, aumento ou diminuição da quantidade de urina e inchaço nas pernas. Entretanto, de acordo com a nefrologista, a melhor forma de diagnóstico é com a realização de Exame Qualitativo de Urina (EQU) e de creatinina. “Se a creatinina estiver elevada é porque a pessoa está com problema renal”.

A creatinina é produzida pelo metabolismo proteico, através da renovação muscular. O excesso é eliminado pela urina e permanecerá no sangue se o rim não estiver funcionando. Os níveis ideais de creatinina variam conforme gênero e idade: para as mulheres é de 0,5 a 1,1 mg/dL; nos homens entre 0,7 a 1,2 mg/dL; crianças de 1 a 5 anos é de 0,3 a 0,5 mg/dL e; crianças de 5 a 10 anos entre 0,5 e 0,8 mg/dL.

Pessoas com diabetes ou hipertensão estão no grupo de risco. De acordo com a médica, pacientes com níveis elevados de açúcar no sangue, geralmente, começam a perder a função renal entre cinco e dez anos após a descoberta da doença. “É possível evitar a disfunção renal desde que a diabetes esteja bem controlada, com uma alimentação equilibrada, exercícios físicos e manter o peso estipulado”. Outros fatores também propiciam o desenvolvimento da doença renal crônica, como a obesidade e o consumo indiscriminado de anti-inflamatórios, que podem lesar a parte intersticial do rim.

O último estágio da DRC é a falência do órgão quando se torna necessário o início das terapias renais substitutivas, diálise peritoneal ou hemodiálise, e o transplante. “O rim é o único órgão que pode manter você vivo por muitos anos mesmo com a perda de função. Isso é possível através das terapias. A doença renal crônica ainda não tem cura e o melhor tratamento é tratar a causa para evitar que ela se desenvolva”.

Dicas para prevenir a doença renal crônica:

- Realizar exames anuais de EQU e creatinina;

- Ter uma alimentação com pouco sal e açúcar;

- Evitar o consumo elevado de carboidratos;

- Não fumar;

- Não usar anti-inflamatório de modo indiscriminado;

 - Evitar o consumo de bebida alcoólica;

- Praticar exercícios físicos.

Todas as notícias

Dados de Atendimento
Fone (51) 3217-2002
Av. Ipiranga, 1801 - Porto Alegre/RS - como chegar

Horário de Visitas
Unidade de Tratamento Intensivo - UTI 8 andar: Somente um visitante por paciente internado, sem revezamento. Horário: das 10h às 10h30min (leitos pares); Horário: das 16h às 16h30min (leitos ímpares).

Emergência: Um visitante por paciente. Horário das 11h às 11h20min (leitos pares); Horário: das 15h30min às 15h50min (leitos ímpares).

Unidade de Internação, pacientes COVID 19(suspeita ou confirmado) e Unidade de Cuidados Especiais - UCE: Visitas Suspensas.