Home > Novidades > Público Geral > Notícias > Infectologista do Hospital Ernesto Dornelles esclarece dúvidas sobre Febre Amarela

Infectologista do Hospital Ernesto Dornelles esclarece dúvidas sobre Febre Amarela

06-02-2017

Mesmo sem casos registrados no Estado, o Dr. Cezar Vinicius Wurdig Riche, médico Infectologista do Hospital Ernesto Dornelles, esclarece as dúvidas sobre vacinação, sintomas e como atuar na prevenção da doença.

O que é a febre amarela?

A febre amarela é uma doença febril aguda e grave que acomete humanos e animais (principalmente primatas).

A doença era considerada erradicada das áreas urbanas do Brasil, desde 1942 até dezembro de 2016, quando iniciou um novo surto no leste de Minas Gerais.

Até o dia 01 de fevereiro de 2017, conforme informativo do Ministério da Saúde, cinco Estados já apontaram a presença da doença (nenhum na região Sul). No momento, 149 casos foram confirmados, dos quais 52 tiveram óbito, e 667 casos estão em investigação entre eles 80 óbitos ainda não confirmados se advindos da doença.

Como ela é transmitida?

Esta doença pertence às arboviroses, ou seja, doenças transmitidas por artrópodes – no caso, mosquitos. Qualquer pessoa pode contrair, mas a sua transmissão não ocorre em contato de pessoa-pessoa.

A febre amarela apresenta dois ciclos distintos de transmissão: o silvestre e o urbano. No ciclo silvestre, em áreas florestais, o vetor da febre amarela são os mosquitos Haemagogus e o Sabethes. Já no meio urbano, a transmissão se dá através do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue).

A infecção acontece quando uma pessoa que nunca contraiu a febre amarela ou tenha tomado a vacina contra ela, circula em áreas florestais e é picada por um mosquito infectado. Ao contrair a doença, a pessoa pode se tornar fonte de infecção para o Aedes aegypti no meio urbano. Além do homem, a infecção pelo vírus também pode afetar outros vertebrados. Os macacos podem desenvolver a febre amarela silvestre de forma inaparente, mas ter a quantidade de vírus suficiente para infectar mosquitos.

IMPORTANTE: Os primatas (macacos), assim como, os seres humanos não transmitem a febre amarela, somente o mosquito é o transmissor.

A febre amarela tem cura? Quais são os tratamentos?

O tratamento é apenas sintomático, ou seja, deve haver somente o controle dos sintomas e possíveis dores. O médico deverá prestar cuidadosa assistência ao paciente, podendo haver necessidade de hospitalização. A pessoa deverá permanecer em repouso e fará reposição de líquidos.

Deve-se evitar salicilatos (aspirina) e antiinflamatórios, pois essas medicações podem agravar o quadro clinico e há o risco de sangramentos.

Quais são os sintomas?

  • Febre alta e com início súbito (de até 7 dias de duração);
  • Cansaço;
  • Dores de cabeça;
  • Dores musculares (principalmente abdominal e lombar); e
  • Náuseas e vômitos.

É comum apresentar um breve período de melhora, usualmente de 2 a 3 dias, seguido de reinício do mal estar e icterícia (a pele e as escleras do olho ficam amareladas), além de insuficiência do fígado e dos rins, nos casos mais graves.

O paciente também pode apresentar sangramento do nariz e gengivas, e podem ocorrer vômitos com sangue ou diarreia – essas sendo as manifestações hemorrágicas da doença.

Como podemos prevenir?

Às pessoas que vivem em área urbana com ou sem indício dessa doença, uma das principais orientações é a eliminação de focos do mosquito Aedes aegypti. Ou seja, extinguir possíveis reservatórios de água onde o mosquito possa depositar seus ovos. Outras medidas preventivas são o uso de repelente de insetos, mosquiteiros e roupas que cubram todo o corpo.

É importante atentar que existem orientações específicas ou impedimentos para a realização dessa vacina – em caso de dúvidas, questione o seu médico.

Fonte: Dr. Cezar Vinicius Wurdig Riche, médico Infectologista do Hospital Ernesto Dornelles

Confira as orientações para a vacinação na tabela abaixo:

Todas as notícias

Dados de Atendimento
Fone (51) 3217-2002
Av. Ipiranga, 1801 - Porto Alegre/RS - como chegar

Horário de Visitas
Unidade de Tratamento Intensivo - UTI: das 10h às 10h30min; das 16h30min às 17h; das 21h às 21h30min


Emergência: das 11h às 11h20min; das 15h30min às 15h50min; e das 21h às 21h20min

Internação: das 15h às 17h

Unidade de Cuidados Especiais - UCE: (Orientada) das 9h30min às 11h30min e das 14h30min às 16h30min; (Social) das 21h às 21h30min.